Bela, Recatada & do Lar x Apologia à Tortura

E chegamos ao feriado. Exceto pelas movimentações de uns protestantes tapados em frente à casa do Presidente em Exercício, Michel Temer, tudo parece muito calmo nos horizontes da política. Isso nos dá tempo para explorar dois assuntos que estiveram muito em voga essa semana, mas que em virtude do tsunami político ficaram meio “de lado”.

Mas o que tem a ver a possível futura primeira dama com o voto desastrado e mal orientado de Bolsonaro? Em teoria nada. Mas ambos acabam se relacionando por ser ligados pela raiz: os modernos conceitos de “feminismo”, “democracia”, “liberdade” e outras hipocrisias que a internet potencializou.

Comecemos pelo mais complexo – assim as pessoas já xingam de vez. Bolsonaro.

Esse idiota não trouxe nenhuma novidade pra mesa. Fascista de direita, faz oposição total ao esquerdismo, radicalizando para o outro lado na construção do seu personagem e captando, assim, a facção que mais ódio tem pela esquerda e pelo PT. Na votação do impeachment, passou dos limites elogiando um torturador da ditadura e acabou tomando uma cuspida na cara – outra atitude ridicula de outro parlamentar inadequado.

Mas…

Agora querem tirar o mandato do Bolsonaro.

Está certo isso?

Podem bater – eu acho que não. 

Senão vejamos as palavras do idiota: 

“Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, meu voto é sim”

Apologia ao terrorismo? Não vejo. Vejo uma provocação barata à Dilma. Baixa, pobre, execrável. Mas só. Se fôssemos punir as pessoas pelas besteiras que dizem alguns defenderiam que Chico Buarque deveria ser exilado novamente. Somos uma DEMOCRACIA. A liberdade de expressão é intrínseca. Ele não mandou ninguém torturar ninguém nem disse apoiar a tortura. Não motivou um crime, não caluniou. Só tem um péssimo gosto. Mas se formos impedi-lo de dizer o que pensa não estamos, então, cometendo censura? Não somos, então, piores do que aqueles que ele defende? Não o estamos também privando da sua liberdade de pensamento e expressão?

My two cents.

Agora para um tópico mais light – se bem que nem tanto – bela, recatada e do lar. Assim foi descrita a possivel futura primeira dama em uma reportagem da Revista Veja.

Pra quê? Logo vem as “feministas de internet” criticar. Mas criticar o que? Vai saber. Bela? Com certeza. Marcela Temer tem uma beleza discreta e bem cuidada. Recatada? Até segundas informaçōes com certeza. Tanto que foi necessária uma reportagem da Revista Veja para sabermos mais sobre ela. Do lar? Sim. Marcela Temer não trabalha fora.

Agora as tais “feministas de internet” estão esperneando, xingando e criticando o que? Dizer que ela é bonita, recatada ou que não trabalha fora? Porque honestamente qualquer uma das 3 coisas, além de opção pessoal dela – no caso das duas últimas – me parecem totalmente inofensivas. Quem poderia se sentir ofendido ou atacado por isso, gente? Ser feminista hoje em dia então é ser feia, escandalosa e trabalhar fora?

É exatamente por isso que sou contra esses rótulos de Internet. Não sou feminista nem machista, nem de direita nem de esquerda, nem nada dessas radicalizaçōes. Sou brasileira, mulher, separada, mãe de uma cachorrinha linda, não tão bela, meio recatada e blogueira.

E tenho dito.

error: Conteúdo Protegido!